Os efeitos colaterais e os primeiros benefícios causados pela medicação

O início do uso do medicamento foi um misto de ansiedade e medo. Ansiedade pelos benefícios que ela me traria e medo por usar pela primeira vez um medicamento controlado: o Concerta 36mg. A pedido da minha médica, fui fazendo algumas anotações sobre os efeitos, colaterais ou não no meu dia-a-dia. Até mesmo para me servir como indicador de evolução no tratamento de tdah. Consegui resgatar algumas dessas anotações. Vou pontuando-as ao longo deste post.

Os primeiros dias foram marcados por mais efeitos colaterais do que benéficos. Eu ficava on fire, ligado! Como se estivesse tomado umas duas latas red bull de uma só vez. Uma pilha! Parecia que o mundo estava diferente, de outra forma. Sabe aquela sensação que você tem quando chega em um lugar que sofreu alguma mudança estética e você nao sabe qual é? E fica olhando e procurando o que mudou? A sensação é parecida. Como se eu estivesse vendo o mundo em alta definição.

Junto com essa sensação, vieram dores de cabeça leves, mas suportáveis. Minha médica já havia me alertado. Me disse que eu poderia fazer uso de algum analgésico junto com o Concerta, que não era problema. Mas como sou daqueles que só toma analgésico em último caso (ensinamentos de minha mãe), foram raras as vezes que lancei mão de algum. Boca seca também foi outro efeito colateral, como se eu estivesse falado horas a fio. Mas pelo menos me obrigava a tomar água várias vezes por dia.

24/08/2010
– Dia produtivo, mas não fui muito exigido. Não esqueci nada. Não senti dores de cabeça;
– Reunião as 19hrs e eu consegui manter foco e atenção durante toda a reunião;
– Trabalhei ate as 21:30. Só almocei. Jantei após sair do trabalho. Mas não tinha fome;
 

Mas o principal efeito e o que que mais me trouxe impactos foi a perda do apetite. E como eu ficava ligado e atento ao trabalho, produzindo horrores, esquecia até de almoçar. Nao sentia fome! Me chamavam pra almoçar e eu dizia: “Ué, já tá na hora?” E na verdade já estava era passando da hora.

Minha médica disse que isso poderia acontecer. Que alguns pacientes adultos até gostam, aproveitam a situação pra comer menos. Mas a verdade é que, mesmo não sentindo fome, quando você come, come normalmente. Não é aquela mesma inibição de apetite provocada pelas sibutraminas da vida.  Mas mesmo assim, usei muito a desculpa de não sentir fome para adiantar o trabalho no horário de almoço. Não recomendo!

25/08/2010
– Dia produtivo. Consegui elaborar vários relatórios. Não lembrei do horário do almoço. Não senti fome;
– Esqueci que tinha reunião marcada às 14hrs;
– Na reunião consegui focar, dar opiniões e acompanhar o raciocínio dos outros. Um livro estava sobre a mesa de uma pessoa, comecei a ler e percebi que conseguia manter o foco e a atenção na leitura;
 

Meu foco para atividades rotineiras e chatas melhorou substancialmente. Eu continuava esquecendo objetos: carteira, celular, chaves.. Mas isso não me incomoda. Faço é muita piada com isso. Os ganhos em produtividade e concentração, esses sim fazem valer o tratamento. Em uma reunião eu consigo manter o foco. Se alguém desvia o assunto, eu consigo me concentrar e voltar ao assunto tratado anteriormente, coisa que antes era uma tortura. Eu ficava louco quando participava desse tipo de reunião. Sem contar que eu sempre era pego de calças curtas, sendo convocado a expor minha opnião quando estava no mundo da lua. Maldito déficit de atenção!

26/08/2010

– Senti fome no almoço. Esqueci minha carteira na hora de pagar conta do almoço. Amigos pagaram pra mim.

30/08/2010

– Esqueci o carregador do cel no hotel. A caminho do aeroporto, qse esqueço que teria que abastecer o carro antes de entregá-ló.
– Tomei o remédio as 08:40 já no avião.
– Dia muito produtivo. Boca seca.
– Senti fome perto do almoço. Leve dor de cabeça. 

Outro efeito colateral, que não manifestou quando tomei o Concerta 36mg, foi a perda do sono. Nas consultas de rotina com minha médica, relatei que sentia sono durante o dia. Ela disse que isso era sinal que o remédio já não estava fazendo efeito. Aumentou a dosagem e passei usar o Concerta 54mg e com ele, já não sentia mais sono durante o dia.  Porém, eu tinha que ter muito cuidado para não tomá-lo muito tarde, caso contrário, só sentia sono depois da meia noite. Por isso, eu evitava tomar nos finais de semana, já que nesses dias, eu costumava acordar bem tarde.

15/10/2010

– O remédio acabou e só comprei a nova caixa a noite. Durante o dia notei diferença no meu comportamento no tocante ao desânimo. Fiquei desanimado, low bat, com mais preguiça, menos disposto. A noite bateu uma depressão. Fiquei com saudades da minha namorada, ansioso e receoso de perdê-la. Angustiado e inseguro com o distanciamento dela e com a possibilidade de tê-la perdido.

E nesses finais de semana, percebia que eu ficava mais preguiçoso e sem pique para nada. Com vontade de ficar o dia todo esticado no sofá e assistindo TV, sem ânimo algum. Relatei isso para a minha médica, que disse que esse efeito é normal, que é meio que um efeito de abstinência, mas que se eu ficasse mais tempo sem tomá-lo, meu organismo já acostumaria novamente. Mas na boa, isso serviu para eu perceber, nitidamente, a diferente do meu eu medicado e do outro não medicado. E  já não sentia mais saudades do outro.

17/10/2010

– Fui para o clube para malhar e não tomei o remédio. Percebi que eu estive desmotivado e não conseguia ter atenção e foco nos movimentos. 

E durante a troca da dosagem do medicamento, fiquei extremamente ansioso. Qualquer pressão por horário ou frustração por algo não ter acontecido, seja um endereço não encontrado ou um erro cometido, tudo me irritava. O calor me irritava mais que o normal, perguntas no sense e obvias das pessoas que fazia ser mais impulsivo e predisposto a dar uma má resposta.

Com o tempo, os efeitos colaterais sumiram. A ponto de me questionar se eu precisava manter o tratamento, se eu já não estava “curado”.  Minha médica dizia que este era um bom sinal, sinal de que meu organismo já tinha acostumado com o medicamento, e que se eu quisesse tirar essa dúvida, era só deixar de tomá-lo para sentir a diferença.

Hoje eu já não tomo mais o Concerta. Uso o Venvanse, cujo princípio ativo é o dimesilato de lisdexanfetamina. Mas isso é assunto para outro post.

É isso!

72 Comments

  • Muito bom esse seu diário.
    Eu vou iniciar meu tratamento com o Concerta essa semana, e após ler os seus depoimentos, me sento bem empolgado com a possibilidade de alcançar bons resultados, assim como você.
    Confesso que estou ansioso para ler suas futuras postagens. Especialmente se você pudesse descrever quais os resultados do tratamento no longo prazo.
    Abraço

    • Oi Diego.

      Logo logo darei continuidade aos posts.

      Continue acompanhando. Falarei sim sobre os benefícios e tb malefícios a longo prazo.

      Abraços

    • me sinto conforme seu depoimento, comecei a tomar o concerta de 54 mg efaz 5 meses no comeco foi muito bom, mas hj estou me sentido muito estranho a sensacao que tenho e de uma pessoa drogada, percebo que isso acontece quando durmo tarde ou quando tomo o remedio mais tarde.

      sera' que isso e' normal, eu parei de tomar por 1 mes e percebi que minha producao em meu trabalhou caiu muito.

      • Gustavo,

        tomar o remédio tarde é a pior coisa que você faz. Quanto mais tarde você tomar, mais efeito ele fará.

        Se o efeito estender noite a fora, você terá insônia e sua cabeçar irá ferver a noite. Foi o que aconteceu comigo.

        As vezes eu deixo de tomar o remédio nos finais de semana, mas percebo que meu rendimento cai, fico mais antisocial e com muita indisposição.

        Conselho: tome sempre!

        Não é só no trabalho ou na escola que a falta de atenção prejudica.

        Obrigado pela visita!

  • Por favor não tome esse medicamento ele apenas inicialmente podem parecer que melhoram algo, mas na verdade só camuflam e a mais adiante te tornam um zumbi viciado!!
    Sofro de DDA e descobri em 2005 e no ano seguinte resolvi tomar essa medicação no início senti tudo que descreveu e em um mês tava tão calma que ñ sentia meu coração e as pessoas achavam que estava chapada. Percebi que estava vivendo mais calmamente mais no piloto automático mais um mês e minha dosagem aumentou..até que um dia tive uma convulsão horrível , me apavorei..pesquisei mais sobre o remédio e tive certeza que não queria mais..reduzi a dosagem até parar, longos dias de dores na cabeça insuportáveis e um leve tristeza.
    Se pesquisar esse remédio vai notar que ele é perigoso pode gerar mais malefícios que benefícios ..e vc sabe que DDA não tem cura, então recomendo que como eu..busque outras alternativas pra freiar a mente..eu faço exercícios, diminui o açúçar refinado, faço respiração do yoga e acima de tudo me aceito assim, não quero me envenenar ou me tornar um robô..sabe que o médico nunca vai negar uma medicação, ele ganha, a indust, farmacêutica ganha e vc perde vida e dinheiro!! Todo mundo tem falhas, ninguém é perfeito nesse mundo!! :)

    • Susana,

      muito bom o seu depoimento. Pra mim é muito importante ouvir o outro lado, o lado de pessoas que não obtiveram sucesso com o uso da medicação.

      Passei por fases de altos e baixos, fases onde eu questionava se precisava mesmo do medicamento, fase em que eu questionava o próprio transtorno.. hoje estou na fase de perceber que os benefícios vieram, de verdade, a longo prazo.

      Coincidência ou não, ontem eu tive um desmaio sem explicações. Não tive convulsão, simplesmente minha visão foi escurecendo, fiquei tonto e desmaiei. Coisa de 5 segundos no máximo. Isso nunca havia acontecido antes. Eu havia tomado o medicamento, mas já era noite, e acredito que ele já nem estava mais fazendo efeito. Mas enfim, foi muito estranho. E seu depoimento tem me feito pensar muito.

      No final do mês terei que voltar a médica para apanhar nova receita e conversarei sobre isso com ela.

      Obrigado!

      • Gostei muito do seus depoimentos e da sua percepção dos sintomas e das melhorias. Tb tomo concerta há quase 4 anos. Minha produtividade melhorou muito, porém alguns aspectos da minha personalidade e meu jeito "easy going" tb mudaram (infelizmente). Não tenho a menor dúvida que os benefícios que tive foram muito maiores que qualquer malefício!
        Gostaria muito de saber da sua experiência com o Venvanse.
        Abç

        • Quero começar a falar ainda esse final de semana.
          Obrigado pela visita!

      • É possivel que tenha ocorrido por conta do medicamento, por mais que ele não estava mais com efeito, ele consumiu provavelmente toda sua fonte de glicogenio durante o dia e pode ter diminuido sua fome ou te feito esquecer de comer, consequentemente pode levar a hipoglicemia, precisa comer!

  • Comecei a usar e infelizmente o resultado está sendo um pouco ruim. Não tenho mais vontade de fazer nada, minha cabeça está vazia, não tenho interesse por nada. Até consigo me concentrar em alguma coisa que tenha começado a fazer, mas o difícil está sendo começar. Mas o seu blog é muito interessante, obrigado por compartilhar suas experiências.

    • Vladimir,

      não deixe de procurar sua médica. Eu levei bastante tempo para me adaptar ao medicamento e a dosagem certa.

      Cada organismo reage de uma forma. O que não dá é para você fazer um tratamento que ao invés de trazer resultado, só traga prejuízo.

      Obrigado pela visita!

  • Olá.

    Gostei muito. Mas, gostaria de saber sobre o Venvanse.

    Já tomei a Rita La, Wellbutrin e agora Concerta de 54. Porém, não vejo muito resultado em concentração nos estudos, organização, memória. O lado bom foii qe me deixou menos depressiva e ansiosa. Queria alguém que já tivesse usado o concerta e passado para o Venvanse e usado o mesmo por mais de 6 meses para me ajudar a conversar com o médico.

    Bjo e se puder, continue escrevendo.

    • Oi ,

      Estou tomando Wellbutrin 300, Concerta 72 e Daforin. Já tomei Ritalina LA 40, por dois anos e Ritalina normal. O problema é que com o passar do tempo eu abusei muito da Ritalina normal e acabei dependendo dela. As doses aumentaram durante o dia, tomava quase todo o tempo, e não dormia bem, não comia..Na verdade eu comecei a extrapolar a dose que eu deveria tomar, pq eu queria sentir o efeito de estar"ligada" sempre, uma euforia inicial do remédio. Vi que isso estava errado e por um fim de semana não tomei nada de Ritalina. Foi horrível: comi um monte, dormi um monte, e depois estava muito deprimida e com crise de ansiedade muito forte. Falei a verdade ao médico e a família e estou me tratando corretamente e com a psicóloga, como deve ser.

      Obviamente agora, estou tendo dificuladades para estudar e me concentrar, pois a quantidade de metilfenidato (apesar de ainda alta) não se compara a de outrora. Claro que, mesmo assim, estou muito melhor agora do que na fase "viciada" de antes: tenho uma vida regular.

      Gostaria de saber se alguém já passou por isso, ou algo semelhante?

      Obrigada,

      Nêmora.

      • Nêmora,

        acredito que o efeito curto da Ritalina em adultos acaba incentivando comportamentos como o seu, de ingerir o medicamento como se fosse um tic-tac.

        Meu terapeuta me alertou, dizendo que o medicamento não gera dependência química e sim psicológica.

        Esse desejo de ficar LIGADO e produtivo o tempo todo é consequência dos longos anos que passamos com nossa atenção reprimida.

        Considere a utilização do Venvanse com seu médico. A proposta dele é reduzir esses picos de euforia no início e no término do efeito do remédio.

        Falarei sobre a minha experiência com ele no próximo post.

        Obrigado pela visita!

    • Marce,

      vou falar sobre o uso do Venvanse no próximo post. Espero concluír ainda este final de semana.

      Estou usando há mais de 6 meses e poderei ajudar com a minha experiência.

      Minha dica é ir, juntamente com sua médica, ir testando as dosagens.

      Levei algum tempo para encontrar o medicamento e a dosagem ideal.

      Mas falarei detalhes no próximo post.

      Obrigado pela visita!

  • […] a tomar o Venvanse 50 e a sensação que eu tinha era a mesma lá de trás, de quando eu comecei a usar o Concerta. Lembra que eu dizia que tinha a sensação que eu já nem precisava do remédio? Então, tomando o […]

  • […] No próximo post falo dos efeitos iniciais do uso da medicação. […]

  • Cara eu tomava esse medicamento também.Teve um dia que eu tomei remédio para gripe e ocorreu a mistura de remédio em consequência tive vários desmaios de 5 minutos,acordava todo suado,e era só eu fazer uma forcinha que eu desmaiava novamente.Não sei por que,mas ja faz uns 5 meses que eu parei com o remédio e me sinto muito melhor presto mais atenção do que antes,talvez conforme eu vou ficando mais velho minha atenção vai aprimorando sei lá,mas boa sorte.

  • Comecei o tratamento com o concerta há três dias, ainda não posso dizer que tive melhoras, pois no final do dia sinto muita dor de cabeça, chega até ser insuportável. Não sei se devo continuar tomando, mas sei que os meus sintomas de DDA são muito acentuados, e estou contando com a ajuda do remédio para mudar isso.
    Se alguém tiver mais alguma dica serei muito agradecido, pois minha situação é muito complicada, memória curtíssima, foco zero, não consigo dar sequência em nada, além de ser muito ansioso.

    Att.

    Paulo.

  • "Falta generalizada de dimesilato de lisdexanfetamina até
    15/06" Quando o assunto é reações adversas a medicamentos no
    tratamento do DDA, o cloridrato de metilfenidato de liberação
    imediata ou modificada (prolongada), gera questionamentos sobre os
    reais benefícios quando comparados ao desconforto das consequências
    graves para o SNC a curto, médio e longo prazo. Muitas vezes
    irreversíveis. Ainda não sabemos sobre a gravidade das reações
    adversas do dimesilato de lisdexanfetamina a longo prazo,
    infelizmente. Contudo, penso que esse pró- fármaco é superior ao
    metilfenidato e modafinila, este último específico para o
    tratamento/controle da narcolepsia. As reações adversas de
    lisdexanfetamina são ínfimos se comparados aos benefícios no
    prognóstico que o pró-fármaco proporciona ao paciente DDA.
    Resultados excelentes sobre a concentração. Por causa da falta
    generalizada de dimesilato de lisdexanfetamina e cloridrato de
    metilfenidato liberação imediata, algumas vezes tenho que extrair o
    princípio ativo (cloridrato de metilfenidato) das cápsulas de
    Concerta 54mg para suprir o déficit de constância pelas flutuações
    na farmacocinética em Cmáx. e Tmáx. Não incentivo esse procedimento
    por causa da janela terapêutica a nível de SNC, ser bem estreita.
    Esperamos a segunda quinzena de junho para reiniciarmos com o
    tratamento promissor do dimesilato de lisdexanfetamina. A
    expectativa é que as reações adversas não apareçam com tanta
    frequência e intensidade como no caso do metilfenidato e outros
    derivados da anfetamina. Apenas os DDAs sabem o quanto é difícil
    conseguir a tão sonhada concentração em atividades simples e
    complexas de cada dia. Boa noite. Polaco Escuro

  • Tenho uma certa invejinha boa de quem consegue se da bem
    com ritalina e concerta, ja tentei os dois, confesso que os efeitos
    colaterais foram intensos dms p q eu pudesse continuar.. Além das
    dores de cabeça, que são o de menos, me sinto deprimida qdo o
    efeito ta acabando, daí o medico me passou um ati-depressivo p
    controlar isso e na falta de sono. Mas dái fico sonolenta e dopada
    com o remedio e de dia tomo concerta p ficar ligada.. Sei que o
    medico me pediu p dar uma chance, ja que ja havia desistido do
    tratamento ha alguns anos com ritalina, como boa tdah, qdo a gente
    não ver o resultado da coiisa ja começa uma inquietação e td aquele
    processo de descontinuação das coisas que é sempre horrivel…
    Porem me sinto estranha qdo to tomando remedio, td meu senso
    critico some.. rsrrs pareço sem graça e comum.. rsrs de novo… daí
    fico com esse dilema, efeito colateralxpossibilidade de resultado
    futuro x personalidade modificada etc e tal… é uma guerra
    rs

  • TEnho um filho dom TDAH e Sindrome de Tourette, o que
    soubrem para ajudar fico feliz, está tomando concerta e
    abilyf

  • Olá Rênia.

    Para o nível de DDA que eu tenho, o tratamento/controle inicial com Venvanse 50mg foi superior, tanto para efeito benéfico quanto para efeito adverso. A Ritalina 10mg/LA 40mg e o Concerta 54mg estão me prejudicando por causa dos terríveis efeitos adversos exacerbados. A sensação que tenho, após ingerir o Cloridrato de Metilfenidato – liberação prolongada ou imediata, é de insetos/piolhos percorrendo meu couro cabeludo; outra "sensação" que está me fazendo pensar na possibilidade de abandonar definitivamente o uso de medicamento para DDA, é a temível pressão intracraniana que tem sua maior intensidade na parte esquerda da face, alternando a sensibilidade/pressão a partir do zigomático, indo para parte frontal (testa), alcançando a "nuca" e com menor frequência; leves, porém preocupantes pontadas (não sei se apenas sensações ou consequências da hiperestimulação neuronal) "geladas" de dentro para fora, gerando um estado de alerta amedrontador. Converse com o médico sobre as opções para o tratamento/controle eficaz do "seu" DDA. No meu caso, se até a segunda quinzena de junho eu estiver decidido a enfrentar, sem autocomiseração, as consequências do DDA ao invés do risco "irreversível" do medicamento contínuo, vou afirmar: "Sou desatento mesmo, e daí?" (rsrs). Quem sabe ter ou ser um DDA neste mundo frenético, desgovernado e obcecado pela perfeição, é o "GRANDE SEGREDO" …

  • A mãe luta para a criança, almoçar direitinho, dormir cedo
    e bem, e acaba adquirindo transtornos do sono e da alimentação para
    a criança e ainda a criança adquire a tal dor de cabeça! O modismo
    está ai. Cabe aos pais zelosos, repensar se realmente deve fazer de
    seus filhos robos, e estragar outros lados. As escolas
    confortavelmente, querem crianças robos, crianças quietas
    demais, dizem que não acompanham os outros alunos, tem transtornos
    de déficit de atenção. Crianças levadas, ai são hiperativas. SÃO
    CRIANÇAS NORMAIS, cada uma com suas características próprias. Umas
    levadas demais outras tímidas. Qual o perfil ideal? Muito cuidado
    pais, para seus filhos não se transformarem em robos humanos.
    Criança é criança, chega de quererem enfiar guela abaixo drogas em
    crianças normais. Chega!!!

  • Já tomei diversas medicações para Transtorno de Pânico, bem
    como TAG, mas confesso que nada se compara aos medicamentos como
    Ritalina LA 20 mg. Após anos de tratamento, investimentos em
    psicoterapia, consegui achar o ponto de equilibrio com a Ritalina
    LA 20 MG. Claro os efeitos colaterais são devastadores, muitos as
    vezes assutam, mas são suportaveis e após uns seis dias vão
    diminuindo de intensidade. Vou iniciar nesta sexta (14) o uso do
    Concerta 36 MG para ajuastar a dose, e ter uma ação do medicamento
    o dia inteiro, e no fim do dia começar a relaxar para o descanso
    noturno. Estas medicações são alvo de debates e uma guerra entre
    profissionais, psicólogos e laboratórios; porém eu acho que uma
    substância usada em mais de 50 anos, testada e reavaliada, nos
    critérios mais duros da sociedade americana de medicina e química
    não seria liberada, caso apresentasse qualquer dano maior a saúde
    da população. Ainda tem a ANVISA que monitora e avalia esta
    medicações no Brasil com muito cuidado e precisão, então acho que
    são criados muitos mitos em torno deste tema. Uma grande verdade é
    que para a minha pessoa, foi uma melhora significativa e me sinto
    feliz e sendo uma pessoa normal, porém sei que existe um abuso do
    uso da substância, por pessoas que nada possuem, isso sim é o
    problema e causa deste debate ferrenho em torno do Metilfenidato.
    Qualquer pessoa se for ler a bula de qualquer medicação, seja um
    analgésico, vai ficar apavorado com os efeitos colaterais e
    possíveis problemas com o farmáco; isso é fato e um risco ao usar
    qualquer remédio para qualquer patologia que venha a ser tratada.
    Esta é minha avaliação, sou um cara que sofri 30 anos e hoje com
    poucos meses de tratamento, sinto os benefícios da medicação.
    Abraços

  • Adorei MESMO teu blog!Escreva mais!

  • Olá João! Muito interessante os seus relatos! 

    Faz alguns meses que fui diagnosticado com TDAH. 
    No meu caso, comecei a perceber os sintomas do problema há alguns anos. Basicamente, o que sempre me incomodou foi a minha  dificuldades de manter a atenção nas conversas. Muitas vezes, ficava divagando durante um  assunto perdendo os detalhes do mesmo. Isso sempre foi muito chato, pois as pessoas acabavam achando que eu não tinha interesse pelo que elas diziam… Além disso, percebia que eu tinha dificuldades em manter o foco em algumas coisas, como por exemplo, um curso, uma leitura, ou um planejamento de médio à longo prazo. Bastava eu encontrar uma dificuldade pelo caminho que eu criava em minha cabeça um motivo para largar o que estava fazendo. Muitos outros sintomas começaram a ficar evidentes para mim quando comecei a aceitar o fato de que eu tinha algum problema e precisa buscar ajuda. 
    Foi aí que procurei um psiquiatra e contei o meu problema a ele. Para a minha surpresa, o psiquiatra não se mostrou tão interessado no problema, dizendo que, para se ter um diagnóstico correto, seria necessário  a realização de um teste neuropsicológico, pois só assim poderíamos ter certeza se havia  realmente um problema de déficit de atenção. Fiquei um pouco decepcionado, mas depois entendi a postura dele. Muitas pessoas que não tem problema algum, procuram um médico e alegam um problema de déficit de atenção só para conseguir um remédio para melhorar os estudos. Por isso alguns ficam um pouco incrédulos e mais criteriosos na hora de receitar este tipo de medicamento.
    Então eu fiz o que ele aconselhou! Procurei o melhor Centro de Neurologia na minha cidade e agendei o teste. Foram mais de 6 horas de avaliações! 4 horas de testes psicológicos (tipo aqueles que vemos em filmes, rsss), 2 sessões com um psiquiatra e 1 sessão com um fonoaudiólogo. O teste foi uma grana, mas valeu a pena! Tinha em mãos um mega laudo de 20 páginas com avaliações específicas: QI, capacidade cognitiva,  nível de atenção, retenção de informação e vários outros. No final havia o diagnóstico que comprovava que eu realmente tinha TDAH. Com o diagnóstico em mãos, procurei um outro psiquiatra especialista no assunto que me receitou inicialmente o Venvanse de 30mg. O início do tratamento foi o seguinte: eu deveria tomar um comprimido pela manhã, durante 10 dias e depois aumentar para 2 comprimidos.
    Isso era para regular a dosagem, ou seja, avaliar a dosagem que respondia melhor ao meu organismo. 
    No primeiro dia a mudança foi surpreendente! Nesse dia percebi como o tratamento era importante. A velocidade de raciocínio era impressionante! Me sentia motivado, pró-ativo, extremamente focado, fazia várias conexões sobre diversos assuntos, não pensava besteira, estava confiante, sem baixa auto-estima, ou seja, tudo mudou!!! 
    Cada novo dia era impressionante, mas percebia que havia uma variabilidade na duração dos efeitos. Em alguns dias os efeitos era mais prolongados, em outros duravam menos, +- 8 horas, que mesmo assim era bom! Depois veio o aumento da dosagem… Nos primeiros 2 dias com 60mg (2 de 30) o resultado foi bom, mas começaram os efeitos colaterais: dores de cabeça, irritabilidade, mudança de humor e ansiedade. 
    Ao voltar na médica contei o ocorrido e ela me disse que esses efeitos colaterais ocorrem, porque está sobrando medicamento no organismo e por isso, estes acabam sendo absorvidos por outros receptores. Isso foi bastante interessante , pois evidenciou que não adianta tomar 100mg, achando que os efeitos serão melhores. O corpo vai absorver aquele limite necessário e o que sobrar vai gerar efeitos colaterais.
    Bom, voltei para a dosagem de 30mg e tudo melhorou. Com o tempo os sintomas se estabilizaram, mas a variabilidade na duração do Venvanse continuara e os efeitos ficavam perceptíveis somente pela manhã. Após o almoço, notava uma queda considerável nos efeitos do remédio e um outro ponto que estava começando a me incomodar era a perda de libido. A atividade sexual não foi prejudicada, mas o interesse sim, mudando o meu comportamento normal. 
    No segundo retorno à médica relatei o problema e ela me disse que isso já era indicação para mudar o medicamento, pois isso indicava que o meu corpo não estava reagindo bem com Venvanse. O que ela quis dizer, foi que o ideal seria aumentar a dose para que os efeitos se prolongassem mais, pois a dose de 30 é pediátrica, mas como a dosagem maior me causava efeitos colaterais e estava diminuindo a libido, o ideal era mudar o fármaco. 
    Ela me passou então o Concerta. Ainda não comecei a utilizá-lo, mas vou iniciar daqui a dois dias. 
    A médica acredita que o Concerta irá responder melhor comigo e os efeitos, segundo ela, são semelhantes ao Venvanse, mas sem o problema da perda de libido.
    Bom, vamos ver no que dá! 

    Como você disse em seu Post, João, cada pessoa tem a sua dosagem certa e o remédio que melhor responde ao seu organismo. 
    Para aqueles que compartilham comigo o problema de TDAH, é extremamente importante  procurar uma ajuda especializada que possa acompanhar o tratamento. Outra coisa importante é ler o máximo de informações a respeito do assunto, principalmente nos Sites estrangeiros. Achei muitos artigos interessantes quando estava  procurando por Vyvanse na época. 
    Ah! outra coisa interessante que vale compartilhar é a mistura do álcool com o Venvanse.
    Teve um certo dia que não tomei o remédio, pois tinha um churrasco para ir e sabia que iria beber. 
    No dia foi tudo ok, mas depois, demorei 2 dias só para voltar a sentir os efeitos do remédio, ou seja, evitem ingerir álcool durante o tratamento.

    Concluindo, vou avaliar os novos efeitos do Concerta e depois compartilho com vocês. Espero que este remédio dê bastante certo!

    Abraços a todos e sucesso no tratamento!

  • Alguém já ouviu falar em Terapia Cognitivo Comportamental aliada ao Neurofeedback? Eu tenho DDA e estou tomando o Concerta, mas vou iniciar o tratamento com a pisicóloga, pelo que ouvi dizer, o Neurofeedback promete grandes progressos e até o abandono dos medicamentos.

    • Michele, este assunto é sempre questionado e até então não houve relato de nenhum DDA sobre esta terapia. Por favor se você fizer mesmo, nos dê seu relato. Parece que o tratamento leva alguns meses, então vá nos informando da sua evolução ao longo do tratamento. Espero que consiga bons resultados, abçs,

      Marcelo

      • A TCC ajuda nas consequências que o DDA causou, mas ouvi um médico especialista dizendo que a medicação é essencial.
        Veja aqui:

  • Então Michelle?

    Fez o tratamento com neurofeedback?

    O que pode nos dizer do tratamento?

    Espero que tenha dado bons resultados.

    Sds,

    Marcelo

    • Olá Marcelo!
      Como eu havia falado, eu estava com a intenção de iniciar o neurofeedback, mas veio o final de ano e tive que esperar o ano começar (começa depois do carnaval, neh?)
      Como não tive alternativa, planejei iniciar as terapias primeiro e depois ingressar para o Neurofeedback. Para minha surpresa, veio uma rouquidão estranha, fui investigar e descobri um Carcinoma Papilífero da tireóide. Operei em 10/04/14 e minha saúde girou toda ao redor do tratamento. Em junho eu fiz o tratamento de iodoterapia, e logo após fiz a cintilografia. Fiquei sem voz uns 45 dias e isso me deixou bastante nervosa (mesmo o médico afirmando que minha corda vocal estava intacta). Meu organismo está “flutuando” ainda. Estou regulando a dosagem dos hormonios e isso não tem sido muito fácil (aliado ao DDA). Já tomei os três medicamentos (Ritaliana LA 30 mg, Concerta 54 mg, Venvanse 30 mg). O único que senti mais ou menos o efeito, foi o Ritalina. Os demais, não senti efeito nenhum. Talvez seja porque estou com depressão (das violentas) Emagreci 12 kilos (mas não é por causa do cancer porque já estou curada e ele não é um cancer agressivo, mesmo tendo sido maligno). Isso ficou bem resolvido na minha cabeça.
      O que está me matando mesmo são os problemas que vinha enfrentando há 6 anos e isso se transformou numa bola de neve, aumentou minha dificuldade de concentração, me trouxe o carcinoma e medicamento nenhum está resolvendo minhas dificuldades. Na verdade estava buscando uma fuga, um motivo para resolver meus problemas, busquei caminhos até corretos, mas bastante tortuosos. Se tivesse buscado há tempo, eu teria evitado muitas coisas na minha vida. O principal de tudo é ter coragem, não se ganha uma luta sem enfrentar ela. Estou enfrentando, mas preciso exercer o perdão, tirar o sentimento de pena de mim, não sou idiota, não sou burra, e não sou pior que ninguém. Não tenho a pretensão de ser melhor, mas também não vou permitir mais ninguém pisar em mim e nem me fazer empurrar garganta abaixo o que querem. Vou continuar o tratamento. Descobri muita coisa com a psicoterapia e não sei se o neurofeedback vai ser indicado pra mim no momento. Essa transição em minha vida tumultuou bastante minha vida e ainda estou numa fase de reencontro comigo mesma. Estou aprendendo a ouvir meus sentimentos. Estou tomando o Pristiq 100 mg e o Venvanse 30 mg. Esta semana eu tenho que ir na minha psicóloga e semana que vem na minha ppsiquiatra. Ambas acham que devo me afastar do trabalho para me tratar. Longa história. Dá um livro. O importante é a gente escrever nossa história, não desistir no meio do caminho. Errar, consertar, voltar, fazer tudo de novo até aprender…. quero voltar aqui e escrever uma outra história para você, e tenho certeza que será muito melhor. Obrigada e continue se tratando também.

  • Comecei a tomar Concerta 18 mg hoje, com a menor dose pois meu grau de TDAH é baixo, porem, sofri até hoje, 24 anos, os seus males. Fui muito oprimida na escola por colegas, taxada de burra, o que fez eu perder a confiança em mim mesma e deixar que eu fosse alvo de piadas sem saber me defender, ou pior, acreditar em tudo que os outros falavam ao meu respeito. Foi um grande terror, sabia que em poucas coisas eu era boa e até estas desacreditei do meu potencial. Sempre me esforçando muito para obter bons resultados e nem sempre chegava na média. Todas as minhas qualidade foram sendo anuladas mesmo que todos ao meu redor falassem elas para mim. Quando comecei a trabalhar o terror ficou diferente, era responsável mas me sentia um robo, só fazia o que me era pedido e sem muita noção das coisas. Enxergava o mundo de forma complicada e complexa, impossível de conectar os pontos. Mesmo estudando muito, filosofias e espiritualidade, patinava no mesmo lugar, minhas forças foram se esgotadando e a depressão tomou conta de vez. Hoje com uma única dose desse remédio fui outra Luciana, que acredito que com o passar das experiencias ira restabelecer e restaurar as forças, a confiança e auto estima, deixando uma base solida sem balançar mais. Vejo que esse é o efeito permanente que o remédio pode nos dar, porque através das experiencias satisfatórias diárias, vamos reforçando nossa capacidade de ser e de estar bem consigo mesmo, aprendendo a ser forte e realizado com a sua vida. Todo o trabalho psicológico junto com o remédio traz benefícios permanentes para a consciência do ser.

  • LUCIANA, vc acabou de fazer um relato parecido com a minha vida. sofri mto com o desconhecimento da minha falta de concentração e atenção. Principalmente pelo colégio e trabalho. Ngm entendia. Mas graças ao tratamento sou outra pessoa, confiante e focado nos meus objetivos. Não terminava nenhum projeto que estabelecia na minha vida por falta de foco. Hj tudo é diferente. Já tomo o remédio há algum tempo e só trouxe melhorias.

    Bom tratamento!

    • RAPHAEL DE MENDONÇA qual remédio você toma? tentei vários mas nenhum me adaptei…

      • Parece q esse remédio faz uma mágica. Estou pesquisando a respeito das substancias que ele regula, que no caso é a dopamina. Estou tomando metade de um comprimido de Concerta de 18mg e já obtenho um bom efeito nas minhas dificuldades, isso com a menor dosagem e tomando dia sim dia não. Realmente cada caso é um caso e varia muito de acordo com a falta que se tem dessa substancia no cérebro. Será que após um período, o organismo se acostuma com a dosagem e será necessário a administração de doses maiores? Tem algum exame que indique a quantidade de dopamina que é produzido e a falta que temos?

        Abs.

      • Paulo Ricardo eu tomo Concerta 36 LA, comecei pelo 18LA. Já tomo medicamento faz um ano. Sempre faço testes. Já tomei ritalina mas gosto do concerta. Quero ficar no 36 e voltar pro 18, e quem sabe um dia largo de vez.

        A única coisa q sinto receio é que qdo malho dá uma taquicardia mto intensa e não combina mto com a atividade.

        CAROLINA, tive leve alteração sim de 12/8 a 14/8, mas não só pelo remédio, pois venho de um processo de estresse emocional (trabalho) que tbm já vinha alterando minha pressão. Acho q os efeitos colaterais do remédio são melhores q os efeitos que eu tinha sem o remédio. Tive uma crise de ansiedade dentro do meu trabalho, nesse dia minha pressão foi pra 17. Foi daí que fui parar na psiquiatra e descobrir que pela minha vida alguns dos meus problemas eram provenientes do Tdah.

        Não me estresso mais com o trabalho pq sou uma pessoa mais eficiente.

        Antes do remédio me frustrava muito e vivia estressado. Assim, os efeitos tbm apareciam inclusive alteração na pressão.

        O remédio é necessário para intervir, mostrar o caminho para a melhoria. Meu objetivo é aprender e explorar meu potencial com o remédio para poder viver sem ele.

        • Olá Raphael !

          Obrigada por me responder !!!

          Interessante sua colocação sobre usar o medicamento para descobrir o seu potencial. Neste momento, parece fazer bastante sentido pra mim.

          Você disse que anda menos estressado… Tem conseguido manter a pressão em 12/8?

          Se não, faz uso de medicamento para baixar a pressão?

          No meu caso, os exames mostraram que tenho certa tendência à hipertensão, mas que poderia ser controlado com alimentação adequada e atividade física regular. O uso do Concerta faz a minha pressão aumentar um pouco mais e fui consultar um cardiologista. Este, disse que receitaria medicamento para hipertensão somente se eu corresse risco de morte se não tomasse o Concerta.

          Assim, a minha psiquiatra receitou o Venvanse. Vamos ver se dá certo!

          E se aumentar a pressão também ? Acho que precisaria encontrar um cardiologista que acredite no TDAH né?

          Um grande abraço!

        • Valeu pela sua resposta!!!

  • Tomei Rita 3x10mg por cerca de um ano. Mas tinha muita flutuação no humor, taquicardia, as vezes dor de cabeça. A um mes passei para o Concerta 36, foi como mudar de um carro manual em uma estrada esburacada, para um automático no asfasto perfeito. É outro mundo, se vc tiver condições financeiras vale a pena. Outra vantagem do concerta é que vc pode tomar , a rita no fim de semana, por ser mais barata, ou ainda uma pequena dose, se vc quiser apenas ficar vivo, sem ficar morgando o dia todo.

    Essa semana vou passar p o Concerta 54, pois o de 36 esta durando somente cerca de 6h, e tenho que tomar sempre uma rita de 10 meio da tarde para não desabar de sono no inicio da noite.

    O remedio mudou minha vida para melhor , e muitooo, hoje nao tenho nenhum efeito colateral, durmo muito bem. Vejo que hoje sou mais calmo, mais atento, e consigo fazer muitas atividades sem correria, sem stress.

    O remédio te ajuda; é necessário. Não usá-lo é como pedir a um míope que deixe de usar óculus.

    O efeito de saida da rita é sinistro, da uma sensaçao de desespero, medo…mas eu tenho um quadro depressivo, uma distimia mesmo.

    A soluçao foi o citalopram 40 mg a noite, pois me dah sono.

    Entao a fórmula da alegria ficou assim = concerta 36 + rita 10 ( eventual) + 40 mg procimax.

    Boa sorte a todos e fiquem com DEUS!

  • Bom dia !

    Alguém teve problemas de aumento da pressão arterial com o uso do metilfenidato (Concerta ou Ritalina)?

    Obrigada!

    • to tomando concerta 18mg,não tirou tanto meu apetite e nem tanta insonia, ele deixa ligado agente o dia todo,os efeitos colaterais foi a fala excessiva, e um pouco de tontura.

  • Interessante essa terapia vc faz uso de algum medicamento?

  • infelizmente comigo não senti diferença nenhuma… ou melhor só senti diferença no meu bolso, pois o remédio é muito caro, mesmo insistindo cheguei a tomar até 54 mg que de nada adiantou, não senti nada do que já ouvi de depoimentos em todo o google… continuei tonta e esquecida como sempre fui, desatenta, sem concentração, sem nada e sem o dinheiro..rs..

    Só qdo parei é que tive efeitos colaterais, pelo menos acho que foi, pois fiquei extremamente chorona e angustiada, fazendo compras, gastando o que tinha e o que não tinha em roupas, sapatos etc… isso sim foi o óooo… pensei que o remédio fosse me deixar ligada e mais antenada com o trabalho, a faculdade, aula de inglês, que nada, não melhorou nem uma grama… não entendo pq comigo não deu certo.

    Estava tão confiante que poderia haver uma melhora, mas nada… se alguém tiver algum conselho pode me enviar por email annecristina42@hotmail.com.

    obrigada

  • Amigos,Li todos os posts.

    Há 30 dias tomo a Ritalina.

    Objetivo é que sou acelerado a 1000 por hora. Não consigo parar. Sinto minha veia pulsando. Como não sabia achava que era ansiedade e tomei muito rivotril. Fiz tratamento terapêutico e fui convivendo, com muita força, contra essa terrível hiperatividade. Meu pai é assim tambem.

    Toda minha vida profissional consegui levar desta maneira, sofrida, coração explodindo de dor, frio,alguns medos, tudo que a hiperatividade gera.

    Quando comecei a tomar a ritalina a mesma fez efeitos por mais de 12 horas. Ficou impressionado. Nunca tinha sentido isso. Estava normal, minh mente super afiada, memória absurda, etc.

    Depois de duas semanas passou a fazer o efeito em 4 horas. Fiquei desesperado, pois estava acostumado ao novo eu. Fui ao médico e ele pediu para alterar entre duas doses de 10 ou uma d 20 retard para ver qual me adaptaria melhor.

    Após usá-las optei pelo 20 LA. O problema é que ela está parando de fazer efeito em umas seis horas. Fico internamente como se fosse explodir. Minha cabeça fica presa a pensamentos ruins, fico meio travando. É terrível. As vezes estou com tanta dor interna que preciso tomar um rivotril para aliviar a pressão no peito.

    Alguém passou por isso? O que fizeram? aumentaram a dose? Tenho medo de ficar aumentando! Queria que alguém me passasse o nome de um especilista nisso para eu fazer os testes e trabalhar melhor com isso. O meu maior sofrimento ocorre sem o efeito do remédio, pois como. Sou hiperativo não consigo parar de me movimentar.

    • Alex, tomei ritalina por 2 meses, primeiro mês tomei a ritalina de 10 mg, como nao fazia nenhum efeito, passei a tomar duas, 20mg, fez muito efeito. Depois passei para a ritalina LA de 40mg, pois foi um momento de falta. Fazia efeito por 4 horas, no máximo por 6 horas. Acredito que seja do metabolismo de cada um. Como tive muitos efeitos colaterais, como muitas dores de cabeça, e também senti que não me fazia mais efeito, minha médica mudou para venvanse de 30mg. Fez pouco efeito, então passei para 50 mg, depois para 70 mg. Me fez mal demais! Meus músculos ficaram duros. Minha médica então indicou citalopram, 10 mg (20mg partida ao meio). Voltei a sentir o efeito de concentração. Porém apenas 10 mg d3 citalopram esta me dando tanto sono…me sinto dopada de sono. Uma vez cheguei a dormir, apaguei com o celular novinho na mão, pois me sentia dada.

    • Alex, tomei ritalina por 2 meses, primeiro mês tomei a ritalina de 10 mg, como nao fazia nenhum efeito, passei a tomar duas, 20mg, fez muito efeito. Depois passei para a ritalina LA de 40mg, pois foi um momento de falta. Fazia efeito por 4 horas, no máximo por 6 horas. Acredito que seja do metabolismo de cada um. Como tive muitos efeitos colaterais, como muitas dores de cabeça, e também senti que não me fazia mais efeito, minha médica mudou para venvanse de 30mg. Fez pouco efeito, então passei para 50 mg, depois para 70 mg. Me fez mal demais! Meus músculos ficaram duros. Minha médica então indicou citalopram, 10 mg (20mg partida ao meio) associado ao venvanse. Voltei a sentir o efeito de concentração. Porém apenas 10 mg de citalopram esta me dando tanto sono…me sinto dopada de sono. Mas com o tempo este efeito passa. O problema é que pra mulher tudo é pior…pois qdo estou na tpm sinto todos os efeitos triplicados. Com o passar do tempo, os estimulantes (venvanse, ritalina,concerta) aumentam nossa ansiedade, e ansiosos nao conseguem se concentrar. O citalopram foi excelente pra tratar esta ansiedade e assim, voltei a sentir o efeito do estimulante…agora meu problema é sono, mesmo fazendo uso do venvanse, sinto muito sono. Em muitos casos é preciso associar mais algumas medicações, pode ser seu caso.

    • Eu tb sou muito hiperativo e compulsivo. Desatenção ñ me prejudica muito ñ.

  • ola! tomo o concentra a 2 anos ! mas no inicio deste ano letivo , o concentra esta a mexer muito comigo psicologicamente ! por exemplo, tenho dito que me doi aperna , ja foi ao medico , ja fiz varios exames e nao acosou nada , eu deixei de tomar nas ferias e passou a dor , e hoje comecei de novo a tomar , e ja sinto outra vez a dor na perna mas de lado diferente ! o que devo fazxer ?

    • Talvez mudar para Ritalina LA ou ritalina.

  • Oie!

    Como você está?

    Incrivelmente consegui ler sua história até o fim.

    Tenho TDA e nunca termino um texto.

    Espero que esteja bem.

  • kkkkkkkkkkkk achei o máximo sua formula de alegria!!!!!! na verdade, deu para mim um alívio, já que tbm uso remédio p ansiedade e leve depressão, e, para matar o sono, venvance 50 mg.

    minha formula da felicidade é = venvance 50 + lexapro 15 + equilid 50mg

    ahhhh, e ja tomei tudo que é tipo de ritalina. Dps de 1 anos, só piorou tuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuudo. Me levava do céu para o inferno. Odeio ritalinaaaaaaaa

    bjss

  • alex, ritalina foi uma porcaria p mim. depois de um tempo ela nao fazia mais efeito. vc sempre quer mais e mais e mais. fiz uso por 2 anos, e ela acabou com minha vida. vivia cansada, vivia com sono, depressão, pânico, ansiedade e etc. no começo era tudo liiiiiiiiiiiiiindo. dps… não queira saber. só me dei conta que era ela qd comecei a fazer o desmame. chegava a tomar 10 ritalinas por dia e ir dormir.

  • Nêmora, tbm passei e passo por isso. A unica solução que tive foi substituir pelo venvance 50 mg.

    Por enquanto, estou bem!

    Ritalina acabou c minha vida. Estava viciada nela. Tinha ataques de pânico, depressão, ansiedade – qd passava o efeito.

    Mas, como tomo Lexapro, o médico me receitou o venvance para eu ficar acordada. Se nao tomar algum estimulante durmo o dia inteiro.

    Mas, sei de uma coisa, ritalina NUNCA MAIS.

    No resto, estou mt feliz e contente com o tratamento do Venvance 50mg.

  • Alguém já houviu falar de neurofeedback? Se funciona?

    Sou de Brasília. Whatsapp 61 92392250.

  • Boa tarde!Você parece especialista no Venvase entao venho implorar sua ajuda! Hoje é o primeiro dia que tomei venvase, o medico me prescreveu a dosagem de 50 mg. Nossa, o efeito do remédio é maravilhoso, atualmente estudo para concurso e percebi que meu rendimento, disposição e concentração aumentaram absurdamente. Além da falta de apetite que o remédio traz, que para mim foi maravilha para minha dieta. Kkk Mas como tudo tem dois lados, senti meu batimento cardíaco mais acelerado, um pouco de taquicardia, um tremor de como se tivesse tomado muuuito café. Queria saber se você acha que trocando a dosagem para a de 30 mg é possível que os sintomas não apareçam? A questão cardíaca que me preocupa mais… E o desperdício da cartela inteiro com esse preço da uma pena. Se você puder me ajudar nessa duvida vou agradecer infinitamente. Não quero deixar de tomar esse remédio dos deuses!!!!

  • Mary, tomo o venvanse de 30. Ele é sensacional. Mas o que percebi com o passar do tempo e com o uso do outros remédios ao longo do tempo é que tmeos qud encontrar a dosagem certa. Cada organismo é diferente. Espero ter ajudado.

  • Olá gente,

    Vocês já fizeram uso do stavigile para tratamento do tdah?

    Hoje em dia faço uso do venvanse 30 mg, mas gostaria de saber se o stavigile, que é um medicamento bem mais barato também seria eficaz no tratamento do déficit de atenção.

  • genteeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee

    cadastram-se
    http://venvansecomdesconto.com.br/

  • Bom dia.

    Meus colegas como é difícil nossa vida. Também já passei por quase todos os transtornos relatados por vocês, mas a coisa que sempre me ajudou a superar todas as barreiras que são impostas a pessoas como nós foi SABER QUE EU JAMAIS DESISTIRIA DE REALIZAR MEUS SONHOS.

    Acho que esse pensamento foi fundamental para que eu pudesse enfrentar todo tipo de preconceito, ou melhor, falta de informação porque até eu mesmo não sabia o que tinha. Uma coisa eu tinha certeza, era sempre um dos últimos na sala, demorava entender uma piada, as vezes fazia a mesma pergunta mais de uma vez…

    Mas tudo bem, uma vez uma tia minha me disse que Deus não nos dá uma cruz maior do que nós possamos carregar e no fundo acho que isso é verdade. Pois bem, vamos ao meu questionamento. Faço uso de ritalina 10 mg já faz uns 4 anos, tomo 1 comprimido de manhã, 1 meio dia e às 17:00 horas, mas ela fez meu suor aumentar de forma absurda.

    Não vi ninguém relatar esse efeito colateral. Será que isso só acontece comigo? Vou falar com meu médico para trocarmos a medicação para concerta ou venvanse, na verdade vou pedir a ele para me prescrever primeiro o concerta para vermos no que dá. Alguém pode me dar uma orientação?

    Obrigado..

    • OLÁ, ESTOU TOMANDO VENVANSE DE 70 HÁ 5 DIAS E NÃO CONSIGO SENTIR NENHUM EFEITO, JA FIZ UM TESTE COM A RITA E COM O STAVIGILLE, DURANTE DOIS MESES, SENTI ALGUMA MELHORA COM A RITA, PORÉM OS DEMAIS NÃO SURTIRAM EFEITO ALGUM, HELP RS, COMPREI 3 CAIXAS DE VENVANSE E ESTOU COM MEDO DE TER JOGADO DINHEIRO FORA…APOSTEI TODAS AS MINHA ESPERANÇAS NESTE MEDICAMENTO, POIS SOU MUITO RETRAÍDA E APÁTICA PENSEI QUE O MEDICAMENTO IRIA ME DAR UM UP, ME AJUDE…SERÁ QUE LEVA ALUNS DIAS PARA O MEDICAMENTO COMEÇAR A FAZER EFEITO?

      • Sua dosagem está muito alta pra não fazer efeito algum. Procure sei médico urgentemente, Luciane.

  • olá amigo…Poderia me passar algum email para contato?

    Tenho uma serie de duvidas em relação aos efeitos do medicamento que vou começa a tomar essa semana…..ficaria muito grato se alguem com experiencia propria podesse me sanar algumas duvidas simples…..

    Obrigado amigo

  • Me dei muito bem com a ritalina la 20mg, um dia ao tomar abri a capsula e coloquei os granulos num pedaço de maça, ai foi punk. kkk

  • Olá, tudo bem?
    Minha psiquiatra me prescreveu Ritalina 10mg e estou tomando a 3 dias. Também tenho TAG e insônia.
    Estou com muita expectativa quanto ao tratamento,mas também ansiosa e com medo de não melhorar meu quadro,não ter esses resultados significativos que outras pessoas que tomam o medicamento relatam ter.
    Receio de que a dosagem prescrita seja baixa demais pra surtir o resultado esperado. Como foi o começo do seu tratamento?
    Com quanto tempo a medicação começou a “agir”?
    Queria alguma orientação pra me acalmar um pouco…

    • Oi Júlia!Cada organismo reage de uma forma. Ritalina 10mg pra mim não faz efeito não mais que por 2h.O ideal é seu médico ir ajustando o medicamento e a dosagem aos poucos, até encontrar o ideal.No meu caso, a medicação já começa a agir não mais do que em 40min. Mas eu levei mais de 1 ano para ter alguma estabilidade com os efeitos colaterais.

  • Boa tarde!!!

    Iniciei dia 18.2 com ritalina LA nao senti nenhuma reação adversa e no dia seguinte acordei com mais disposição, porem do dia 19 pra cá, senti que estou deprimido, com vontade de chorar, sonolencia, tontura leve.
    Vou esperar mais uns dias, o medico tb passou a ritalina la mg normal, agora vou aguardar.

  • Minha fiha de 10 anos, começou a usar o conserta 36mg, teve muitas reclamações, dores de cabeça, taquicardia, falta de apetite e insônia. Emagreceu muito. Não gostei, aliás, detestei, estou a procura de tratamento alternativo. Alguém pode me informar.

  • Estou tomando 2 comprimido de Venvance 50 mg. Acho que irei depender desse remédio até os ultimos dias de minha vida.

  • Muito bom me ajudou bastante a começar o meu novo tratamento. Obrigado pelo post…

Got anything to say? Go ahead and leave a comment!